Região

Samu atendeu quase 300 tentativas de suicídio nos últimos quatro anos no Sudoeste

Em 1º de julho deste ano o movimento de combate ao suicídio ganhou um novo aliado em todo o país, quando passou a contar com uma linha gratuita para o acolhimento de pessoas propensas ao ato.
O CVV acredita que ter com quem conversar, mesmo que por telefone, pode ajudar a pessoa a desistir de cometer o suicídio (Foto: Helmuth Kühl)

Em 1º de julho deste ano o movimento de combate ao suicídio ganhou um novo aliado em todo o país, quando passou a contar com uma linha gratuita para o acolhimento de pessoas propensas ao ato. A linha 188 chega agora a todos os 5.500 municípios brasileiros, 24 horas, todos os dias da semana.

Ao acionar o número 188 do celular ou telefone fixo, a pessoa é acolhida por voluntários do Centro de Valorização da Vida (CVV), capacitados para fazer o atendimento emocional através de conversas.

A rede é fruto do convênio com o Ministério da Saúde, iniciado como piloto em 2015 e em expansão desde setembro de 2017. O número 188 é o único telefone sem custo de ligação para prevenção do suicídio e também a esperança de que ajude a reduzir os altos índices desse tipo de morte no país.

Sudoeste

Infelizmente, casos de suicídio e tentativas têm sido constantes em todas as partes do Brasil, inclusive no sudoeste do Paraná. No último fim de semana, por exemplo, uma mulher de 68 anos atentou contra a própria vida em São João e faleceu. Segundo informações extraoficiais, esse foi o segundo caso de suicídio no município nos últimos 20 dias.

Na semana passada também houve casos na região. Em Francisco Beltrão, no dia 4 de julho, por volta das 10h a Polícia Militar foi chamada para atender um caso de tentativa de suicídio de uma adolescente de 13 anos. O fato de a mãe da menina ter chegado ao local no momento do incidente vez toda a diferença. Ela conseguiu pedir socorro aos vizinhos e com a ajuda de um soldado aposentado do Corpo de Bombeiros, que mora próximo a casa da vítima, conseguiu reanimar a adolescente – que já estava desacordada – até a chegada da equipe do Samu.

No dia 5 de julho, outro caso entristeceu o Sudoeste, pois um rapaz de 19 anos que atentou contra a própria vida, em Planalto, não teve a mesma sorte e acabou falecendo.

O CVV acredita que ter com quem conversar, mesmo que por telefone, pode ajudar a pessoa a desistir de cometer o suicídio (Crédito: Helmuth Kühl)

Dados oficiais

De acordo com a coordenadora geral do Ciruspar – Samu 192 Sudoeste, Kelly Cristine Custódio dos Santos, o Sistema de Regulação da Central de Urgências do Sudoeste atendeu na região, em 2015, 99 casos de tentativa de suicídio através do acionamento 192. Em 2016 foram 72 ocorrências e em 2017, 60 casos. Neste ano, entre janeiro e junho, o Samu já atendeu a 50 tentativas no Sudoeste.

Em 2015, os meses que tiveram maior incidência de casos foram setembro, com 10 casos, e novembro, com 14. Em 2016, os meses foram janeiro, com 14 ocorrências e junho, com 12. Em 2017, agosto e dezembro, ambos com 9 casos cada. Neste ano, no entanto, até agora, os meses mais incidentes foram março, com 11 casos, e maio, com 10.

Atendimento telefônico

Agora em todas as regiões do Brasil o número de atendimento telefônico do CVV é 188. A ligação é gratuita de telefone fixo, celular e orelhão, nas 24 horas, todos os dias da semana.

Os voluntários da ONG iniciaram o trabalho de prevenção ao suicídio há 56 anos, em São Paulo, e agora o serviço está disponível para todo o país. O grupo acredita que varias ações podem auxiliar, começando pela conscientização de que o suicídio é um problema de saúde pública e de que todos podem colaborar.

Segundo o CVV, é importante conversar sobre o assunto, ainda considerado tabu para muitos, e informar as pessoas que, se buscarem ajuda, podem se sentir melhor, apoiadas e confiantes para encontrar soluções para suas dificuldades.

Esta ajuda pode ser profissional, de amigos, parentes ou dos voluntários do CVV. “O essencial é que haja abertura para que as pessoas se expressem sem críticas, julgamentos e preconceitos. Outro ponto fundamental é facilitar o acesso à ajuda, permitindo que quem precisa dela a encontre”.

Prevenção

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, tirando a vida de uma pessoa por hora no país, mesmo período no qual outras três tentaram se matar sem sucesso.

Trata-se de um problema que se pode prevenir na grande maioria das vezes e esse é um dos maiores esforços do CVV. “O estudo e a discussão do tema suicídio é uma das formas mais eficientes de se promover a prevenção, pois esta só é possível quando a população, os profissionais da saúde, os jornalistas e governantes têm informações suficientes para conduzir as medidas adequadas e ao seu alcance nessa frente. O CVV assumiu como tarefa, desde a sua criação, estimular essa discussão, ação esta que passou a merecer mais empenho nesses últimos anos”, destacou a ONG no site.

 

TABELA

Ocorrências – Acionamentos 192

Fonte: SUS/Samu- Sistema de Regulação da Central de Urgências - Sudoeste do Paraná)
AnoTentativas de SuíciosMeses de maior incidência
201599setembro/novembro
201672janeiro/junho
201760agosto/dezembro
2018(até junho) 50março/maio


 

Classificados