Pato Branco

Projeto social incentiva crianças à prática da capoeira

Há pouco mais de um ano teve início em Pato Branco o projeto “Camaleão: cantigas e brincadeiras de roda”. A iniciativa — realizada no bairro Cristo Rei, zona sul da cidade — contempla gratuitamente crianças entre cinco e 11 anos, a fim de que tenham acesso e aprendam a arte da capoeira.

Nas aulas — que ocorrem as terças e quintas-feiras à noite, além dos sábados à tarde —, os alunos participam de atividades recreativas, danças folclóricas, instrumentação e músicas, bem como a prática do jogo de capoeira.

Entretanto, o aprendizado vai muito além da teoria e da prática dessa modalidade. De acordo com Agnaldo Luiz Rampanelli, coordenador do projeto, também são ensinados valores aos alunos.

“Cobramos muito a disciplina deles. Tanto que mensalmente nos reunimos com os pais dessas crianças para ver como cada uma está, se há comportamento na escola e em casa. Afinal, a disciplina e a educação são dois requisitos fundamentais para que eles permaneçam no projeto”, destacou.

Rampanelli acrescenta que quando há uma briga no colégio, por exemplo, é avaliada a situação e, dependendo de como ocorreu, é suspensa a participação da criança no projeto.

Benefícios

Além disso, a capoeira beneficia outros aspectos na vida das crianças. Segundo o professor que ministra as aulas, Diego Drudi Sanches, alguns alunos chegaram há um ano no projeto e não sabiam qual era o lado esquerdo e o direito.

“Outros, melhoraram a sua coordenação motora, com as aulas. Sem contar aqueles que não conseguiam nem esticar o braço, que tinham a coluna travada. Então é todo um conjunto”, enumerou Sanches.

Como tudo começou

Rampanelli explica que o projeto começou a partir de uma necessidade. “Nós percebemos que havia muitas crianças que gostariam de praticar uma arte marcial, mas que ao mesmo tempo não tinham condições de frequentar uma academia. Assim, resolvemos fazer esse projeto, que é mantido em uma parceria entre o grupo Camaleão Pato Branco, a Academia ACCC e o Mercado Econômico”, disse.

Segundo o coordenador, o projeto se iniciou com oito crianças e hoje conta com aproximadamente 50 participantes. “São crianças isentas de qualquer custo, que treinam nas terças e quintas-feiras, das 19h às 20h, e aos sábados, das 14h30 às 16h”, afirmou.

A ideia, conforme Rampanelli, é que o projeto se expanda. “Tanto abrindo outra turma, no bairro Cristo Rei, quanto implantando em outros locais, para dar oportunidade a mais crianças”, revelou.

Entretanto, para isso, ele disse que o projeto está aberto para novos parceiros. “Com um apoio maior, com certeza, vamos aumentar esse projeto e incentivar mais crianças”, destacou.

Para participar, é preciso que as crianças se dirijam à academia, acompanhadas de seus pais e/ou responsáveis, nos horários das aulas. O estabelecimento está localizado na avenida Tupi, 5139.

“Podem vir assistir uma aula, sem compromisso. Caso a criança realmente goste do projeto, preenchemos uma ficha com os dados dos pais e dos alunos. Única coisa que pedimos é que os alunos adquiram seus uniformes, para termos uma boa organização”, disse.

Classificados