Pato Branco

Pato Branco registra queda de 7,35% na cesta básica

Em Pato Branco, em maio, o valor da cesta básica foi de R$ 344,09 (Foto: Helmuth Kühl)

Em Pato Branco, a cesta básica de alimentação teve uma queda de 7,35% em maio, comparado ao mês anterior, o que fez com que o valor da cesta chegasse a R$ 344,09.

O índice foi constatado pelo Grupo de Pesquisa em Economia, Agricultura e Desenvolvimento (GPEAD), do curso de Ciências Econômicas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), campus de Francisco Beltrão, que realiza a pesquisa, mensalmente, também em Dois Vizinhos e Francisco Beltrão, por serem os três municípios economicamente mais expressivos do Sudoeste.

A pesquisa apontou queda de 0,87% em Beltrão, cujo valor da cesta foi de R$, 361,79, e de 5,37% em Dois Vizinhos, cujo valor foi de R$ 371,38. “É importante mencionar que a retração observada em maio com relação a junho quebrou a série de elevações que vinha ocorrendo desde fevereiro, nos três municípios”, observaram os pesquisadores. Com relação ao valor da cesta praticado em abril, a economia foi de R$ 3,26 em Dois Vizinhos, R$ 20,53 em Beltrão e R$ 27,30 em Pato Branco.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realiza pesquisa mensal nas capitais brasileiras e também constatou queda no valor médio da cesta básica em 13 das 18 capitais pesquisadas, conforme o boletim de maio. Esse resultado também quebrou um ciclo de alta ocorrido em todas as localidades pesquisadas pelo instituto nos meses de abril e março.

Análise

Pesquisa do Dieese verificou que Campo Grande (-13,92%), Belo Horizonte (-7,02%), Goiânia (-4,48%) e Rio de Janeiro (-4,39) tiveram as reduções mais substanciais. Por outro lado, as altas variaram de 1,17% em Florianópolis a 0,06% em Brasília.

As capitais com cestas de maior valor monetário foram São Paulo (R$ 507,07), Porto Alegre (R$ 496,13) e Rio de Janeiro (R$ 492,93), enquanto que as de menor valor médio foram Salvador (R$ 392,97) e João Pessoa (R$ 403,57).

Segundo o Dieese, o feijão (tipo carioquinha e preto), café em pó e óleo de soja apresentaram queda de preços na maioria das capitais pesquisadas, enquanto que o leite integral e a carne bovina de primeira tiveram alta de preços. No sudoeste do Paraná, no entanto, além do feijão e do café, também o trigo, a batata, a banana, o tomate e a carne bovina de primeira tiveram queda de preços em pelo menos dois dos três municípios. Por outro lado, o arroz, o açúcar do tipo cristal, a margarina, o pão, o óleo de soja e o leite, tiveram alta em ao menos dois municípios.

Variação

As retrações verificadas no preço do feijão (tanto o tipo carioquinha quanto o tipo preto) e do café em pó, podem ser explicadas pela expansão da oferta em face do início da colheita na Região Centro-Sul, caso do primeiro produto, e em face da continuidade da colheita, caso do segundo produto, conforme destacado no boletim do Dieese.

De acordo com o GPEAD, o preço do óleo teve elevação em Dois Vizinhos e Pato Branco, contrariando o resultado observado na pesquisa do Dieese, que foi de baixa. “A substancial utilização do óleo de soja bruto para a produção de biodiesel e a ampliação no volume das exportações – como inclusive destaca o Dieese em seu boletim de maio –, serve de explicação ao movimento altista constatado nos municípios do Sudoeste do Paraná”, destacou o grupo.

A carne bovina foi outro produto que em dois dos três municípios contrariou o comportamento de preços verificado pelo Dieese, nas capitais. Para o órgão, a alta no preço da carne de primeira resultou da “oferta restrita de boi para o abate” e do “ritmo aquecido das exportações”.

O tomate, a batata, a banana e a carne bovina de primeira são produtos que ocupam um espaço significativo na composição do valor da cesta básica de alimentação. “Juntos ao feijão, ao café e ao trigo apresentaram predominância de queda em seus preços, justificando assim a retração ocorrida em maio no valor médio da cesta em Pato Branco, Dois Vizinhos e Francisco Beltrão, apesar da elevação do preço do leite e do pão”, observaram.

Classificados