Região

Paraná é o 3º Estado que mais recebe trabalhadores estrangeiros

Arquiteto argentino Abel Blumenkrantz, por exemplo, que desembarcou no Paraná em abril desse ano. Ele veio coordenar os planos de expansão da importadora Garage Vinhos, empresa fundada por dois argentinos em 2004. Executivo de expansão da empresa, ele coordena a filial de Curitiba.Curitiba, 10/11/2017 (Foto: José Fernando Ogura/SEAE)

O Paraná é o terceiro Estado que mais acolhe imigrantes no País. Em 2016, trabalhavam 13.833 pessoas de outros países com carteira assinada no Estado, atrás apenas de Santa Catarina ( 14.348) e São Paulo (43.141).

Os dados são de um levantamento realizado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), com base nos dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) do Ministério do Trabalho. São haitianos, paraguaios, argentinos, portugueses, franceses, japoneses, dentre outros, que vêm trabalhar no Estado em empresas de comércio, nos serviços e na indústria.

Desde 2010, o número de imigrantes no Estado aumentou 277%. Em 2010, o Estado tinha um contingente de 3.660 trabalhadores de outros países atuando no mercado de trabalho formal.

“Temos basicamente dois tipos de imigrantes. Os de países não desenvolvidos vêm tentar a vida aqui, em busca de emprego e condições melhores, como os haitianos. Já um outro grupo vem geralmente transferido de empresas de outros países ou estados. É o caso de engenheiros de montadoras, por exemplo, diz Julio Suzuki Júnior, diretor- presidente do Ipardes.

INDUSTRIAL

De acordo com ele, o adensamento industrial, com a implantação de novas fábricas de multinacionais, e a implantação de novas empresas trouxeram muitos estrangeiros para trabalhar no Paraná.

O número de trabalhadores japoneses, por exemplo, passou de 121, em 2010, para 221 no ano passado. No mesmo período, o número de italianos passou de 89 para 149. Os espanhóis passaram de 56 para 114 e os chineses de 91 para 159 na mesma base de comparação. O número de argentinos passou de 412 para 694 no período.

CURITIBA

No Paraná houve uma queda principalmente no número de trabalhadores haitianos, com redução de 30% em relação a 2015. Ainda assim, o contingente de haitianos é o maior entre os imigrantes no Estado, com 4.847 pessoas. Em segundo lugar vem os paraguaios (3.674) e argentinos (695).

O levantamento do Ipardes mostra que Curitiba é destino principal dos trabalhadores estrangeiros no Estado, com um total de 3.464 imigrantes em 2016. Em segundo lugar vem Cascavel, com 1.343, Foz do Iguaçu, com 1.270 e Maringá, com 762. Do total de imigrantes, 16% tem nível superior completo.