Pato Branco

Para casar ou não, devotos de Pato Branco garantem bolo de Santo Antônio

Além do bolo foram comercializadas cucas – que também estavam recheadas com as medalhinhas – pãezinhos de Santo Antônio, bolachas, geleia de pimenta e as tradicionais bolachas confeitadas de Páscoa e Natal
A primeira edição do Bolo de Santo Antônio em Pato Branco foi um sucesso (Foto: Helmuth Kühl)

O primeiro bolo de Santo Antônio promovido em Pato Branco foi um sucesso. A repercussão foi tanta, que em menos de uma hora, todos os pedaços foram comercializados, contou a gestora do SOS Missão Vida Nova, Lori Busato. “A iniciativa deu tão certo e foi tão bem aceita pela comunidade, que vendemos os sete bolos que havíamos feito, cerca de 200 quilos”.

A primeira edição do Bolo de Santo Antônio em Pato Branco foi um sucesso

A promoção, realizada pelo SOS Vida, com apoio da Paróquia São Pedro Apóstolo, aconteceu na tarde desta quarta-feira (13), Dia de Santo Antônio, o santo casamenteiro. Junto com a Lori, os acolhidos da instituição produziram em média 200 quilos, e ao todo, aleatoriamente, foram distribuídas cerca de 100 medalhas de Santo Antônio no recheio.

Logo que começou as vendas, às 13h, a fila se formou em frente à igreja na praça Presidente Vargas. Todos queriam um pedaço do bolo para levar para casa, e muita gente tinha encomendas para trazer. Como uma mulher, que comprou cinco pedaços do doce. “Foi uma encomenda para cinco jovens de Pato Branco. Elas não me falaram qual era o desejo, mas me deram essa missão de vir buscar os pedaços. Acredito que tenha algum amor em mente”, brincou. Se em algum pedaço do bolo tinha medalhas, não saberemos, mas na fatia de cuca comprada pela mulher tinha. “Eu encontrei a medalha. Não sou casada e nem estou namorando, mas acho que não quero casar.”

Além do bolo foram comercializadas cucas – que também estavam recheadas com as medalhinhas – pãezinhos de Santo Antônio, bolachas, geleia de pimenta e as tradicionais bolachas confeitadas de Páscoa e Natal.

Segundo Lori, a aceitação da comunidade foi surpreendente e, para o ano que vem, a proposta é fortalecer ainda mais o evento. “Não tínhamos experiência, e nem sabíamos ao certo a quantidade de bolo. Como vendemos tudo em menos de uma hora, tivemos que comercializar as cucas e encomendamos outros bolos, que da mesma maneira, também tinham medalhas no recheio. Ano que vem garantimos que haverá bolo à vontade”, ressaltou.

Povo casamenteiro

Assim que o evento foi planejado pelo SOS Vida, Lori contou que iniciou a procura pelas medalhas de Santo Antônio. No comércio de Pato Branco, o produto estava em falta, e foi preciso encomendar de outros municípios. “Por incrível que pareça tem falta de medalha de Santo Antônio em Pato Branco, tivemos que encomendar de fora, e quando surgiu a ideia de fazer o bolo estava em plena paralisação dos caminhoneiros, e não era possível fazer pedido pela internet, pois não chegaria a tempo. No fim, conseguimos adquirir uma boa quantidade e realizamos a promoção.”

Nem só de casamento vive o Santo

Dona Claudina, 70 anos, moradora do bairro Novo Horizonte, não enfrentou fila e garantiu o pedaço do bolo à procura de casamento. Ela já foi casada, e hoje, 20 anos separada, disse que reza para os que mais precisam. “Já fiz muitas caminhadas quando vim morar aqui para assistir a missa de Santo Antônio. Não perco, sou devota, e já alcancei muitas graças. Hoje peço bênçãos aos novos casais que se formam e às pessoas doentes.”

Ana Machado, do bairro Planalto, podia ter levado uma fatia de cuca para casa, mas ela queria mesmo era o bolo. “Não tem graça se não for o bolo, quero meu pedaço”, disse, enquanto esperava na fila. E tanta vontade não tinha haver com casamento. “É um pedido especial, é algo relacionado ao trabalho.”

No fundo, mais que garantir o bolo, as pessoas aguardavam as benções, dadas pelo frei Marcos Vinícius Mota Brugger. Segundo ele, apesar da tradição do casamento, muitos fiéis pedem por saúde e paz. “Alguns querem encontrar alguém, ter um amor, e gostam da brincadeira do bolo e das medalhas, que é uma devoção sadia. Mas o foco maior é a fé em Jesus Cristo que se doou a cada um de nós.”

A proposta do Bolo de Santo Antônio deve se manter para 2019 e, quem sabe fazer parte do calendário das festas juninas do município. “Além da tradicional festa de São Pedro, o dia de Santo Antônio nos remete ao amor, saúde e paz, e ainda podemos saborear um bolo gostoso com essa bênção especial. Proteção nunca é demais, não é?”, salientou o frei.