Pato Branco

Observatório Social de Pato Branco está em fase de estruturação

Em reunião realizada na segunda-feira (11), no Auditório Caetés, houve a definição se haveria ou não mantenedores suficientes para manter os custos da nova Entidade em formação.
A próxima reunião do Observatório será no dia 22, às 10h30 (Foto: Assessoria)

Se depender do apoio de aproximadamente 26 mantenedores entre pessoas físicas, empresas e entidades, o Observatório Social será instalado em breve em Pato Branco. Em reunião realizada na segunda-feira (11), no Auditório Caetés, houve a definição se haveria ou não mantenedores suficientes para manter os custos da nova Entidade em formação. O resultado para a iniciativa liderada pelo empresário Cláudio Petrycoski foi positivo. Afinal os custos básicos foram praticamente supridos pela contribuição com as colaborações mensais.

O próximo passo passa a ser a realização de encontros com entidades que não tiveram a oportunidade de participar do encontro para buscar mais mantenedores que permitirão o fortalecimento da infraestrutura de trabalho e posteriormente a formação da diretoria e comissão executiva de trabalhos que darão andamento a estruturação da Entidade.

Segundo o presidente do Observatório Social de Francisco Beltrão, Marcelo De Campos, mais de R$ 48 milhões foram aplicados de melhor forma pelo município ao longo de dois anos com acompanhamento do Observatório Social e atitudes administrativas austeras dos gestores públicos.

Ainda no primeiro encontro que também contou com a presença de Ney da Nóbrega Ribas, do Observatório Social Brasil, foi destacado que para instalar um Observatório Social é preciso não haver dependência a recursos públicos e nem concentração de colaboração financeiras em uma, duas ou três pessoas. “Se não tiver apoio das entidades e da sociedade em si, não vingará”, disse Ney na oportunidade.

Também foi destacado que é preciso que a sociedade perceba que pode promover transformações sociais muito maiores do que as que alcançam se simplesmente acompanharem e orientarem para a boa gestão dos recursos públicos, onde entra um dos papéis do Observatório Social.

Atuação

O Observatório Social tem eixos estratégicos de desenvolvimento: Gestão Pública, envolvendo tudo que trata da boa aplicação do dinheiro público; Educação para a cidadania – envolvendo a mudança de cultura, valores e princípios morais no ambiente social; o Ambiente de Negócios, envolvendo o incentivo às compras locais, já que cerca de 70% do que os municípios adquirem é fora dele. “Se incrementássemos R$ 100 milhões num único município faria diferença”, questionou Ney, evidenciando que isto é possível se empresas e Poder Público voltarem foco para tal propósito. Outro Eixo é o de Transparência – deixando de ter portais da “aparência” para ter, de fato, portais que sigam a legislação e tornem todas as informações acessíveis a qualquer cidadão.

No Brasil existem 120 observatórios filiados, outros em estruturação em 52 cidades e 348 solicitando contato de instalação. Existem no Observatório 3.500 voluntários no Brasil que proporcionaram economia de R$2 bilhões aos cofres públicos.

O empresário Cláudio Petrycoski diz que “muitas vezes observamos entidades fazendo enorme esforço para auxílio a entidades beneficentes. Se analisarmos que a boa aplicação do dinheiro público pode render muito, mas muito mais, tendo exemplo de Francisco Beltrão.”

A diretora do Diário do Sudoeste, Delise Guarienti Almeida, explica que a iniciativa é mais uma demonstração de interesse pela evolução da gestão pública. “Estamos certos que pode ser algo positivo.”

Segundo Marcelo Silveira Dalle Teze, da Comissão de Formação, a Entidade está aberta a participação de qualquer cidadão ou entidade que acreditem na proposta de acompanhar a boa aplicação dos recursos públicos. “Existem muitos casos em que o próprio gestor público gosta de contar com o apoio do Observatório no sentido de facilitar a lisura e transparência de seus atos.”