Pato Branco

Gerações unidas pelos carrinhos de rolimã

(Foto: Marcilei Rossi)

O domingo (12) foi de atividades na rua lateral do ginásio Dolivar Lavarda. Foi nela que apreciadores do rolimã e dos carrinhos deste tipo de peça puderam matar saudades dos tempos de criança e mostrar às novas gerações uma brincadeira bastante comum em décadas passadas.

A atividade faz parte da programação do Domingo no largo, que já promoveu a confecção e brincadeira com pipas e que em breve deve servir de oficina de bodoque (atiradeira que era utilizada para caça).

Segundo Rony Slaviero, que trabalha na Secretaria de Esportes Lazer, o objetivo do projeto Domingo no largo é reviver atividades costumeiras das crianças de décadas passadas, mostrando à nova geração como eram feitos e os tipos de brincadeiras.

Ele também explicou que, por questão de tempo, os carrinhos não foram confeccionados no domingo com as crianças, sendo assim, apreciadores das quatro rodinhas brincaram com veículos próprios, mas também com carrinhos disponibilizados pela secretaria. "A ideia é resgatar antigas brincadeiras, que hoje não são tão conhecidas das crianças", disse Rony.

Ele também comentou a grande participação dos pais na atividade. “Para as crianças é um fato novo e para os pais um resgate das brincadeiras da época de infância”, pontuou Rony, relatando que alguns pais comentaram que faziam seus carrinhos em períodos de dois ou três dias cortando madeira e indo em busca de rolimãs.

De pai para filho

No sobe e desce da ladeira, Ivo Ribeiro da Silva Junior e o filho Cauan Felipe de 7 anos aproveitaram a tarde de domingo para praticarem uma atividade que costumeiramente realizam juntos.

“É uma boa oportunidade de lembrar as brincadeiras que eu tinha na infância”, afirma Ivo, comentando que “ele me ajudou a confeccionar o carrinho já faz um ano.”

A brincadeira que vem passando por gerações na casa de Ivo é motivo de aproximar ainda mais pai e filho. “Tenho muitas lembranças boas desta época e quero passar para ele”, completa.