Pato Branco

Festas de fim de ano aquecem as vendas de produtos natalinos

Em Pato Branco, supermercados esperam um Natal melhor que o de 2016. O maior movimento deve iniciar a partir da semana que vem, mas desde o início de dezembro os clientes pesquisam os preços e definem produtos que irão compor a ceia natalina
A venda de produtos natalinos movimenta os supermercados de Pato Branco. Expectativa dos empresários é que Natal de 2017 supere o do ano passado (Foto: Helmuth Hühl)

No mês de dezembro, o clima de fim de ano também chega aos supermercados. Desde novembro os consumidores podem pesquisar os preços e variedades de produtos natalinos. Nas prateleiras, panettones chamam a atenção pela beleza das embalagens e pelo recheio. Nos congeladores, o carro chefe das vendas são as aves – carne principal na ceia dos brasileiros.

Produtos natalinos atraem olhares dos consumidores que já antecipam as pesquisas para as ceias de fim de ano

Faltando ainda 20 dias para o Natal, a venda está aquecida e segundo empresários do setor entrevistados pelo Diário do Sudoeste, há otimismo. Segundo Fernando Delazari, gerente de um supermercado de Pato Branco, a categoria acredita no crescimento das vendas em 2017, se comparada ao mesmo período do ano passado. “As pessoas estão mais confiantes e isso se reflete na ceia de fim de ano.”

Desde a primeira quinzena de novembro, os clientes têm investido na aquisição de cestas natalinas. De acordo com Delazari, a maioria das empresas compra o produto para presentear os funcionários. Mas há famílias que também preferem este tipo de produto.

“Sempre trabalhamos muito forte nas vendas das cestas natalinas e estamos evoluindo na elaboração. Cada vez estão mais bonitas e atraentes. A cesta é um presente completo, porque traz chocolate que agrada da criança ao adulto, tem o produto básico e até o mais requintado. É um presente para toda a família”, salientou o empresário. Além da cesta pronta, o consumidor também pode confeccionar, colocando apenas produtos de sua preferência, e investindo também nos importados.

No setor de aves, segundo Delazari, os consumidores têm feito muita pesquisa, pois há muita variedade de produtos à disposição. “Há mais marcas disponíveis neste ano e isso faz com que o cliente tenha mais possibilidades de escolha, comparando preço e qualidade. Normalmente, a compra desse produto acontece na semana que antecede o Natal.”

Em relação aos valores, o empresário informou que não houve grandes alterações, com preços se equivalem aos do Natal de 2016.


Vendas aquecidas a partir do dia 10

De acordo com Zineu Gurmaski, gerente geral de uma rede de supermercados da cidade, os consumidores estão um pouco cautelosos para as compras. Para ele, o grande boom será a partir do dia 10 de dezembro, quando de fato o setor deve ter um grande aquecimento nas vendas.

Na opinião de Gurmaski, o movimento deve superar o do ano passado. Inclusive, a melhora nas vendas já foi sentida pelo setor nos meses de novembro e dezembro. “Já viemos de dois meses muito bons, e esperamos que se mantenha ou aumente nas proximidades do Natal e Ano Novo. O início de dezembro já está bem melhor que do ano passado, sendo um demonstrativo de que as vendas devem melhorar”, declarou o gerente geral.

Além das aves, outro destaque nesta época do ano é o panettone. E felizmente, para os amantes de doce, o produto também manteve o preço do Natal passado. “Não houve reajuste nos valores, os panettones se mantiveram na média. E no setor de bebidas, há espumantes ainda mais baratos que em 2016.”

Neste supermercado, para atrair ainda mais a clientela, uma árvore natalina decora o ambiente. Mas não se trata de uma árvore normal: essa é feita toda com latas de cerveja. E o consumidor que acertar quantas latas foi necessário para formar a árvore ou chegar próximo do número, irá ganhar um prêmio especial, contou o gerente geral.