Pato Branco

Feira de orgânicos da UTFPR será levada aos bairros

A feira acontece nas quintas: das 7h30 às 9h no pavilhão da igreja e das 9h30 às 18h no câmpus da UTFPR (Foto: Divulgação)

A Feira de Produtos Orgânicos realizada sempre às quintas-feiras no Câmpus Pato Branco da UTFPR será levada aos bairros da cidade. O anúncio foi feito pelo professor Miguel Angelo Perondi, em entrevista à instituição, divulgada no facebook da unidade.

De acordo com Perondi, a partir de agora a feira vai acontecer também no pavilhão da Igreja Nossa Senhora de Fátima, no bairro Jardim Primavera. “Os produtos são muito bons para que fiquem restritos ao campus universitário. Assim, levando-os mais próximo à comunidade, possibilita que mais pessoas tenham acesso aos orgânicos”, destacou.

O objetivo, segundo o professor, era consolidar a feira durante os anos de 2016 e 2017, com produtores, produtos e regularidade na organização, e agora, em 2018, a meta é expandir, fazendo a extensão universitária.

A feira no bairro Jardim Primavera teve início oficial na Semana do Meio Ambiente, sincronizando as duas feiras. “Os agricultores que se deslocam de uma longa distância, como, por exemplo, o pessoal do Verê, que percorre 60 quilômetros, ou de Coronel Vivida, 50 quilômetros, conseguem vir a Pato Branco e expor os produtos no início da manhã, na comunidade, e logo a seguir, a partir das 9h30, dentro do câmpus”, explicou.

Públicos diferentes

No vídeo disponibilizado pela instituição, o produtor Luiz Cláudio Dias, um dos feirantes, ressaltou que eles encontram nos dois ambientes públicos diferentes. “Na feira da comunidade encontramos um público mais maduro, como donas de casa que vão à feira com o objetivo de escolher os produtos para o decorrer da semana, porque sabem como manusear e preparar esses alimentos. Já no câmpus, embora tenhamos professores e pessoas com histórias de vida e experiência na preparação dos alimentos, temos muitos jovens, pouco experientes na cozinha, aos quais acabamos ensinando algumas receitas”, contou Luiz.

Segundo ele, muitas vezes essa falta de conhecimento tem relação com o fato de terem saído recentemente da casa dos pais, primeira experiência fora, e acabam conhecendo um pouco sobre o que é o produto orgânico através dessa feira.

Controle de qualidade

A feirante Simone Alberti explicou em seu depoimento que o Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (Capa) presta assistência técnica para os produtores e acompanha o processo de produção. Izolete Cagnini, que também é feirante, disse que é uma organização muito boa, que está sempre ajudando os agricultores, por isso os produtos oferecidos na feira são de boa qualidade. Elas representam a Coopervereda (Associação de Produtores Agroecológicos do Sudoeste do Paraná), que têm cerca de 30 sócios que fazem o plantio dos produtos.

O produtor Valdecir Madalosso contou que participa da feira a cerca de dois anos e disse que a Vigilância Sanitária de Pato Branco é bem rigorosa para que os produtos tenham boa qualidade.

Certificação

O professor Perondi explicou que para que se obtenham produtos verdadeiramente orgânicos, não somente a universidade, mas também outras instituições parceiras, como o Instituto Agronômico do Paraná e o Ministério da Agricultura, se empenham muito.

“Para que se tenha certeza que são produtos orgânicos, há uma certificação, que é regulada através de uma normativa nacional, e um selo que tem uma logomarca específica, que é fixado nos alimentos embalados”, observou o professor.

Ele explicou que nesse trabalho desenvolvido pela UTFPR há duas certificadoras que acompanham os agricultores. Uma é a Rede Ecovida de Agroecologia, que é uma certificação solidária que é feita com os agricultores de Verê e de Coronel Vivida, e a outra é o Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná). “Ambas as certificações cumprem a legislação nacional, regulada pelo Ministério da Agricultura, que dá segurança aos consumidores que esses produtos são orgânicos”.

Segundo o professor, um produto orgânico é aquele naturalmente produzido. “Tem muitos consumidores que confundem hidroponia com produção orgânica. A hidroponia é quase o oposto de uma produção orgânica, porque a pessoa está artificializando o processo de produção ao máximo, onde se abole, inclusive, a presença da terra. Na produção orgânica, o elemento essencial da produção é a terra. Então, a qualidade da terra, o húmus, o extrato de produção são muito importantes, têm que ser equilibrado, e isso traz o resgate da relação homem-natureza com a produção”.

Inspeção sanitária

O professor explicou que tanto para realizar a feira nos bairros quanto no câmpus universitário, os produtos precisam de inspeção sanitária, uma norma que estabelece condições de produção saudáveis. “A água utilizada no processo produtivo, por exemplo, tem que ser livre de contaminantes porque um produto pode ser orgânico, mas pode ser contaminado biologicamente. Por isso essa questão do controle sanitário é essencial”, frisou.

Dia de feira

Na UTFPR a feira é realizada todas as quintas-feiras, das 9h30 às 18h, aberta também para o público externo. Já no pavilhão da igreja Nossa Senhora de Fátima, no bairro Jardim Primavera, a feira acontece no mesmo dia da semana, porém mais cedinho: das 7h30 às 9h.