Vanilla

Exterminador de fome

Ele é o casamento da tradicional receita da nona com o conceito fast food. Com quase 1Kg de ingredientes, o X - Polenta é um verdadeiro mito da culinária local, e já atraiu degustadores de várias partes do Brasil

Helmuth Kühl

X-Polenta, 910 gramas de culinária italiana transformada em fast food

Não faltaram tentativas de se criar um prato típico para Pato Branco. Já se pensou em preparar algo à base de carne de pato mas o projeto não vingou. Uma das iniciativas mais recentes transformava o carneiro estirado na iguaria oficial do município, um carneiro inteiro assado com as patas esticadas mais acompanhamentos.

Até houve esforços para tirar a ideia do papel, mas o projeto ficou por isso mesmo. Em 2012, o jornalista Laudi Vedana, entusiasta e ativista da ideia, defendeu a criação de um prato típico na tribuna da Câmara de Vereadores. Para ele, um símbolo gastronômico ajuda na divulgação da cidade, como o Leitão Maturado, de Itapejara d´Oeste, e o Leitão Desossado na Grelha, de Bom Sucesso do Sul.

Formalmente, o prato que lembre Pato Branco mundo afora ainda não existe, mas pode ser que o X-Polenta esteja fazendo as vezes de representante da culinária local. “Em Pato Branco, o fantástico X-Polenta. Você não tem ideia do que é! Em vez do pão, polenta. O recheio é queijos, rúcula, tomate, calabresa e bacon... Sai da frente”, teria publicado o escritor e palestrante Luciano Pires em uma rede social, depois de uma passagem pela cidade em outubro passado.

Há mais ou menos cinco anos, o escritor gaúcho Antônio Xerxenesky também teria se manifestado sobre o lanche na internet. O sanduíche que transforma um dos pratos mais tradicionais da cozinha italiana em ingrediente de fast food ganhou uma roupagem quase folclórica em Pato Branco, apesar de não ser exclusividade do município - O X-Polenta está no cardápio da Festa Estadual do Milho, na catarinense Xanxerê.

Muito dessa popularidade é culpa da família Chicoski, proprietária da Patô Lanches, lanchonete que vende cerca de 2.000 unidades mensais de X-Polenta entre a porção inteira e a meia. “É o carro chefe da casa”, diz Kauê, o filho. O tamanho da maior porção disponível no cardápio é uma das características que ajudaram a mitificar o lanche.

Divulgação

O lanche contém: polenta, bacon, calabresa, queijo, tomate, ovo, rúcula

Segundo Kauê, o sanduíche pesa 910 gramas, distribuídas em duas generosas fatias de polenta, calabresa, bacon, dois tipos de queijo, rúcula, tomate e ovo. “Vale o custo benefício. Geralmente quem come ao meio dia só faz outra refeição à noite”, conta Adegir, o pai da família, que é dona de outra lanchonete e uma choperia.

A primeira vez que eu pedi o X era pra ver se tinha o tamanho que todo mundo falava. Lembro que não consegui terminar de comer”, conta a telefonista Tamieli Tuski.

Era pra ser pizza

Por volta de 2003, Adegir queria criar um prato para servir no inverno, acrescentando um ingrediente tradicional às usuais opções da casa. As raízes italianas dos imigrantes que colonizaram o Sudoeste determinaram a escolha da polenta, que deveria ser a base para uma pizza.

A pizza de polenta morreu ainda nos testes de degustação, mas a equipe persistiu até pensar em substituir os pães de um X tradicional por fatias de polenta.Kauê lembra que os ingredientes foram sendo escolhidos por harmonização. “O que mais combinaria com a calabresa e a polenta? O queijo. Queríamos acrescentar radite, mas optamos por rúcula, e assim foi”. Gigante o lanche sempre foi, e o próprio público criou a cultura de dividir um X-Polenta, dando a deixa para a criação de uma porção menor, hoje disponível no cardápio.

Marca

Um X-Polenta leva de 6 a 7 minutos para ficar pronto, mas a grande demanda pode fazer com que a entrega seja um pouco mais demorada. Mais de dez anos depois, o que era para ser um lanche sazonal acabou se tornando o pedido mais frequente do ano inteiro. Com isso, foi preciso aposentar o velho tacho de mexer polenta no braço e automatizar o processo. Hoje, boa parte do preparo é feito com máquinas.

Segundo Adegir, o mais trabalhoso é fazer a polenta, que leva cerca de um dia para ficar no ponto de servir. A lista de ingredientes não é mistério, mas a receita, o passo a passo e outros detalhes do preparo são guardados a sete chaves.

Seriam esses os segredos que diferenciam o X-Polenta da Patô dos demais servidos em Pato Branco e na região.A família já tratou de criar e registrar uma logomarca para o lanche, aproveitando o sucesso do prato que já atraiu degustadores de várias partes do Brasil.Segundo Adegir, gente de São Paulo, Tocantins e Mato Grosso aproveitaram visitas a parentes para provar “o tal X-Polenta de Pato Branco”.

Classificados