Especial

Exportações de carne suína totalizam 278,3 mil toneladas no semestre

As exportações totais de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 278,3 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano, segundo informações da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).
(Foto: Marcilei Rossi/Arquivo/Diário do Sudoeste)

As exportações totais de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) alcançaram 278,3 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano, segundo informações da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). O volume embarcado foi 18,9% inferior ao obtido nos seis primeiros meses de 2017, quando foram exportadas 343,3 mil toneladas.

A receita das vendas acumulada pelo setor neste ano totalizou US$ 567,2 milhões, saldo 30,4% inferior aos US$ 814,7 milhões registrados no primeiro semestre de 2017.

Com 35 mil toneladas embarcadas, o desempenho das vendas em junho registrou retração de 45,4% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram exportadas 64,1 mil toneladas. Na comparação com maio, a diminuição chega a 26,6% (com 47,7 mil toneladas exportadas no quinto mês de 2018).

A diminuição dos níveis dos embarques impactou a receita mensal das exportações em junho, que totalizou US$ 64,9 milhões, número 58,3% menor que os US$ 156 milhões realizados no sexto mês de 2017. Em relação ao mês anterior, o desempenho de junho foi 30% menor (com US$ 93 milhões em maio).

“Os bloqueios nas estradas ocorridos nos dez últimos dias de maio ampliaram os impactos registrados pelo setor com o embargo imposto pela Rússia desde dezembro de 2017, o que fica explícito quando comparamos os desempenhos de maio e junho. Esperamos que esta retração se dissolva ao longo dos próximos meses, especialmente a partir de julho”, analisa Francisco Turra, presidente da ABPA.

Mesmo com os impactos dos bloqueios nas estradas, as vendas de carne suína para a China permaneceram em alta neste semestre. Ao todo, foram 69,8 mil toneladas exportadas no período, volume 170% superior às 25,8 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado.

Hong Kong, atual principal destino das exportações de carne suína do Brasil, importou 79,3 mil toneladas no primeiro semestre, volume 12% acima do efetivado no mesmo período do ano passado, de 70,7 mil toneladas.

A América do Sul também se destacou nas importações do produto brasileiro ao longo do primeiro semestre. O Chile incrementou suas compras em 40%, com total de 14,5 mil toneladas. O Uruguai importou 18,1 mil toneladas, 25% acima do efetivado nos seis primeiros meses de 2017. A Argentina – terceiro principal mercado para o Brasil – elevou suas compras em 11%, chegando a 19 mil toneladas.

No Continente Africano, os principais destaques foram Angola, com 15 mil toneladas importadas no primeiro semestre (+8%) e África do Sul, com 3,1 mil toneladas (+495%).

“Com as notícias disseminadas no mercado sobre a importação de trigo russo pelo Brasil e os esclarecimentos técnicos já realizados entre as partes, temos, agora, expectativas mais otimistas quanto à retomada dos embarques de carne suína brasileira para a Rússia”, analisa Turra.