Vanilla

Destino: Islândia

Uma ilha formada por erupções vulcânicas, e colonizada por vikings. A Islândia, ao contrário do que a maioria pensa, não é completamente coberta de gelo, tampouco somente uma mera paisagem lunar feita de lava onde sopra um vento constante sobre a tundra
(Foto: Feylex Stones (CC BY-SA 2.0))

Essas paisagens existem, claro, mas também existem grandes fiordes, fazendas de pasto verde intenso, vales cavados pelas geleiras, poças de lama que fervem  e um vasto e frio deserto no interior, praticamente desabitado.

O país possui 22 vulcões ativos, 250 áreas geotermais, 780 fontes quentes e a terceira maior geleira do mundo (depois da Antártica e da Groenlândia), é uma vasta biblioteca de informações para cientistas e um grande parque de diversões para os turistas. A Islândia possui mais ou menos o mesmo tamanho que a Inglaterra, mas com uma população de somente 320 mil pessoas, espalhados ao redor do litoral.

Foto: Daniel Enchev (CC BY 2.0)

 

Para além do litoral habitável do país fica um deserto gelado e inóspito que cobre metade do país. Além disso, outros 15% do país são tomados pelas geleiras. A maior geleira é Vatnajökull, no Sudeste, que cobre quase 13% do país e é a terceira maior do mundo. Adicione ainda campos de lava e alguns sandar (planícies de areia glacial), salpicada com gêiseres, fumarolas e fontes quentes naturais, e você conseguirá ter uma ideia do que é a ilha em geral.

Além de serem atrativo para os turistas, as características geológicas que tanto chamam a atenção na Islândia também possuem suas utilidades práticas: ao ligar qualquer chuveiro, água quente natural sairá instantaneamente (mas quando for escovar os dentes, você terá que esperar a água esfriar). Todo esse aquecimento natural é utilizado para prover eletricidade barata e limpa, aquecer prédios e piscinas, e até mesmo para derreter o gelo das calçadas de Reykjavík no inverno.

Reykjavík e região: a maioria dos islandeses reside na ponta sudoeste da ilha. Reykjavík, a charmosa capital, se tornou internacionalmente conhecida nos últimos 25 anos, se tornando até mesmo uma cidade cosmopolita criadora de tendências no mundo da música e vida noturna.

Reykjavík, capital da Islândia (Foto: Neil (CC BY 2.0))

 

Saindo de Reykjavík, muitos visitantes fazem o passeio de dia inteiro chamado Golden Circle (Círculo de Ouro) para a cachoeira Gullfoss, para a região geotermal de Geysir (é por causa desse lugar que todos os outros gêiseres do mundo são chamados assim) e para o Parque Nacional Þingvellir, onde o primeiro parlamento islandês se reuniu no ano 930.

Ao norte de Reykjavík, a Península Snæfellsnes é conhecida por ser ótimo lugar para avistar baleias, passeios na geleira e um litoral recortado lindíssimo. A oeste fica a região menos habitada da Islândia, os Fiordes do Oeste, com penhascos à beira-mar cheios de pássaros aninhados e pitorescos vilarejos, é uma região pouco visitada pelos turistas, apesar de suas belezas naturais.

Giuseppe Milo (CC BY 2.0)

 

O norte é ancorado por Akureyri, a “segunda cidade” da Islândia. A cidade de Húsavík, a uma hora de distância para o leste, é o melhor porto para avistar baleias em todo o país. A região ao redor do Lago Mývatn possui estranhas formações geológicas, poças de lama que fervem, além de ser ótimo local para se avistar pássaros. Para caminhadas, o melhor local é o parque de cânions de Jökulsárgljúfur.

Foto: Giuseppe Milo (CC BY 2.0)

 

O sul da Islândia é cheio de atrações e possui uma das melhores viagens que se pode fazer em automóvel do mundo. Landmannalaugar, Þórsmörk e Skaftafell são áreas supremas de caminhada ecológica. Os impressionantes abismos à beira-mar das Ilhas Vestmannaeyjar são perfeitos para ver o pássaro característico do país, o puffin (papagaio-do-mar. A cidade litorânea de Vík possui locais de caminhada na beirada dos abismos e praias de areia negra. Mais ao leste fica a atração à beira da estrada mais conhecida da Islândia: Jökulsárlón, um lago surreal de icebergs desprendidos de uma geleira.

Puffin, o papagaio-do-mar (Foto: Didier Baertschiger (CC BY-SA 2.0))


Como Chegar:
A companhia aérea da Islândia, Icelandair, entre outras têm voos regulares a partir das principais capitais da Europa, e das principais cidades do Estados Unidos e Canadá.  Brasileiros não necessitam de visto, a moeda é o Krona, mas é muito fácil trocar Dólares e Euros. Também não há exigência de vacinas para brasileiros.

Igreja de Hallgrímur (Foto: Andrés Nieto Porras (CC BY-SA 2.0))

 

Classificados