Região

Corpo de Bombeiros alerta para riscos de afogamentos em Palmas

De acordo com o comandante, pelo menos 85% dos casos de morte nestas condições pode ser evitado (Foto: Assessoria)

A morte de dois adolescentes, vítimas de afogamento durante a semana, chocou a população de Palmas, no Sudoeste do Paraná. No primeiro caso, um garoto de 15 anos morreu sábado (4), em um trecho do rio Bandeira. No segundo, um menino de 11 anos morreu, nesta quinta-feira (9), ao nadar em uma lagoa próximo ao Parque de Exposições Pé Vermelho.

As tragédias poderiam ter sido evitadas, caso fossem tomados os devidos cuidados. Mesmo estando em uma região alta, Palmas tem uma extensa bacia hidrográfica formada por rios e lagos. Com a chegada das altas temperaturas, é comum crianças, jovens e adultos procurarem estes locais para se refrescar, o que acaba aumentando os riscos de afogamentos.

Para evitar novas tragédias durante o verão, a 3ª Seção do Corpo de Bombeiros lançou nesta sexta-feira (10), um alerta. De acordo com o comandante, tenente Guilherme Picolotto, pelo menos 85% dos casos de morte nestas condições pode ser evitado. Somando o caso dos dois garotos, já são cinco mortes por afogamento na cidade em 2017.

“São estatísticas preocupantes. As mortes por afogamentos, na maioria dos casos, ocorrem por descuido ou imprudência das pessoas que vão se banhar em locais de alto risco”, frisou Picolotto. O comandante dos Bombeiros de Palmas lembra que, devido ao grande volume de chuva das últimas semanas, os rios e lagos estão com o nível acima do normal, o que aumenta ainda mais estes riscos.

“Nossa preocupação é principalmente para quando o verão chegar. Com este alerta, queremos evitar novas tragédias como as desta semana”, reforçou Picolotto. Aos banhistas, o comandante dos Bombeiros recomenda nunca nadarem sozinhos, principalmente em locais de alto risco.

Picolotto lembra também que é muito importante avisar alguém próximo, quando for procurar estes locais de lazer que tenham água e que sempre solicitem orientação se não existe perigo naquele local. “É essencial que se mantenha alerta para os cuidados necessários que se devem ter com crianças próximas de piscina, lago e rios ou qualquer outro local que se possa nadar”, ressaltou.

Cuidados

Para evitar novos afogamentos, as crianças só devem entrar na água se estiverem sob a supervisão de um adulto. Jamais deixe seu filho sozinho em uma piscina, lagos ou rios, mesmo que eles sejam rasos ou não. Esteja próximo, e se ele for pequenino esteja com ele, não se descuide nem por um minuto.

“Um simples descuido é suficiente para que a pessoa, sendo criança ou adulto, afunde e acabe se afogando”, alertou Picolotto. O comandante observou ainda que crianças e adultos também devem evitar a água após consumirem refeições pesadas, como almoço ou jantar.

As bebidas alcoólicas também contribuem para provocar acidentes na água, seja nadando com boias ou pranchas ou ainda pilotando barcos. Segundo o tenente, o banhista nunca deve mergulhar de cabeça sem conhecer o local.

Se for nadar, a recomendação é entrar na água somente acompanhado de alguém que conheça o local. O comandante ainda frisa que se começar a chover e relampejar, o mais prudente é sair da água.