Pato Branco

Compra de materiais escolares começa a movimentar o comércio local

Este ano alguns produtos escolares tiveram o preço reduzido

Faltando menos de um mês para o início do ano letivo, as papelarias de Pato Branco, já percebem uma movimentação maior de pais, a procura do material escolar dos filhos.

Segundo a proprietária de uma papelaria, localizada na baixada de Pato Branco, Elaine Maria Pacheco, a venda dos materiais aumentou significativamente, em comparação com o mesmo período, em 2018. “O ano passado demorou bem mais para que as vendas engrenassem, mas em 2019, já percebemos que o pessoal está vindo bem antes do início das aulas procurar pelos materiais”.

Com relação aos preços, a diretora do Procon de Pato Branco, Alessandra Botelho Elias dos Santos, afirma que o aumento dos produtos escolares em Pato Branco coincide com o repasse de 1,02%, estipulado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/BRE), que faz uma média do aumento entre os estabelecimentos do setor.

Na papelaria de Pato Branco, Elaine afirmou que o aumento nos produtos já era esperado para o ano. “O reajuste que nos foi repassado está dentro do esperado, não houve um aumento exorbitante, inclusive tem produtos que tiveram uma queda no valor, como algumas mochilas”.

A diretora do Procon aconselha a população a procurar pelos materiais, ainda no início do ano, época em que as ofertas são maiores. “Sempre indico que os pais comprem a vista, porque além do desconto, precisamos ter em mente que é no início do ano que IPTU e IPVA são cobrados”.

Outra dica que Alessandra dá aos pais é para que procurem ir comprar os materiais, em grupos, pois comprando em grande quantidade aumentam os descontos. 

Comprar com antecedência os materiais pode garantir aos pais uma maior economia, como explica a proprietária Elaine. “Trabalhamos com um desconto especial de volta às aulas, porque nós percebemos que os pais que compram com antecedência buscam maiores descontos e optam por pagar à vista”.

Com a filha de dez anos, entrando para o 6º ano, a técnica em segurança do trabalho, Eluize Caroline Marques, não tem o costume de fazer orçamentos de materiais com as papelarias, optando por outras alternativas. “Busco me informar sobre os preços dos materiais e os melhores locais para comprar em conversa com outros pais, que já compraram os materiais dos filhos, e também através das páginas das empresas, nas redes sociais”.

Eluize conta que alguns materiais solicitados pela escola da filha, podem ser reaproveitados de outros anos. “Normalmente minha filha utiliza por mais de um ano o apontador de lápis, a mochila e o estojo, por exemplo; sempre confiro se estão em bom estado e se estiver, reutilizamos”, contou.

Segundo a diretora do Procon, a atitude de reaproveitar materiais escolares é uma ótima opção para evitar gastos. “Os pais podem ver o que sobrou do ano passado que se encontra em bom estado e reutilizar, assim, economizam para gastos com uniformes e transporte, por exemplo”.

Com relação a lista de material escolar, Alessandra alerta sobre a compra de produtos de uso comum. Segundo ela, os pais não são obrigados a comprar produtos que serão utilizados em conjunto pelas crianças, como papeis higiênicos, copos descartáveis e fitas adesivas.

 

*Estagiária que escreve sob a supervisão de Marcilei Rossi

Classificados