Pato Branco

Aulas de baliza, palestras e blitz na Semana do Trânsito

Segundo a Ciretran, Pato Branco possui uma frota circulante superior a 38.826 veículos (Foto: Helmuth Kühl)

A Circunscrição Regional de Trânsito (5ª Ciretran) divulgou nessa quinta-feira (13) a programação de Pato Branco da Semana Nacional do Trânsito, coordenada pelo Detran e pelo Depatran, que será realizada no município de 15 a 29 de setembro.

Com apoio de diversas entidades, como Sest/Senat, Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Rodoviária Estadual (PRE), Corpo de Bombeiros, Polícia Militar (3º BPM) e escolas, neste ano a semana terá como tema “Nós somos o trânsito”, cujo objetivo é conscientizar motoristas e pedestres sobre as leis de trânsito e suas consequências quanto à embriaguez e uso de celular ao volante.

As atividades em Pato Branco começam neste sábado (15), com aula de baliza, das 13h30 às 16h30, na rua Pio XXIII, ministrada pelo Depatran e demais parceiros. A programação segue na segunda-feira (17), com abertura oficial, no Detran, às 9h07; e palestras no Colégio Estadual Pato Branco (Premen), às 8h30 e às 20h30.

Dia 18, às 15h, acontece a programação “Pedestre Consciente”. Dia 19, divulgação das atividades na Câmara Municipal, 14h; e palestras na Escola Estadual Carmela Bortot, às 9h e às 13h30.

Dia 20, serão realizadas palestras no Colégio Rui Barbosa, às 8h30, 9h, 9h30, 13h30, 14h e 20h30. Dia 21, as palestras acontecem na escola de São Roque do Chopim, às 9h e às 13h30.

Dia 22, será realizada outra aula de baliza, na rua Pio XXIII, das 13h30 às 16h30. Dia 25, acontece a blitz educativa; e dia 29, a programação da Semana Nacional do Trânsito, de Pato Branco, se encerra com um projeto educativo realizado no Colégio Vicentino Nossa Senhora das Graças.

Estatística local

No último dia 3, o chefe da 5ª Ciretran, Vitor Gerhardt, participou da sessão deliberativa da Câmara Municipal e falou sobre a Semana Nacional do Trânsito.

Conforme os dados da Ciretran, nos últimos nove meses foram registrados mais de 488 acidentes, que resultaram em 238 feridos. Gerhardt revelou que Pato Branco possui uma frota circulante superior a 38.826 veículos. Além disso, segundo ele, é necessário conscientizar o condutor que a faixa de pedestre é para ser respeitada, bem como as placas que indicam a velocidade máxima permitida na via pública ou rodovia.

Mortes no trânsito

A Agência Brasil divulgou nessa quinta-feira (13) que mais de 19,3 mil pessoas morreram em acidentes de trânsito em seis meses. Segundo a agência, de janeiro a junho deste ano, os acidentes de trânsito provocaram 19.398 mil mortes e 20 mil casos de invalidez permanente no país. Os dados foram divulgados pelo Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), órgão da Escola Nacional de Seguros, no Rio de Janeiro.

As principais vítimas são homens de 18 a 65 anos e motociclistas. A economista e coautora do estudo Natália Oliveira alertou que os principais fatores associados aos acidentes são a falta de educação, desrespeito às leis, excesso de velocidade, ingestão de álcool, direção perigosa e uso de celular.

“Falta respeito à legislação, porque lei a gente tem. Falta respeito e saber o quanto isso está impactando negativamente na nossa economia”, disse a economista, informando que as estatísticas revelam que, em média, 75% dos acidentados eram homens e cerca de 90,5% estavam na idade economicamente ativa, isto é, de 18 anos a 65 anos de idade.

Prejuízos

De acordo com a matéria da agência, os acidentes somaram R$ 96,5 bilhões, valor que corresponde ao que as vítimas poderiam ter produzido, pois foram atingidas em plena fase economicamente ativa. O fator que mede a perda da capacidade produtiva é denominado Valor Estatístico da Vida (VEV) e se refere a quanto cada brasileiro é capaz de produzir ao longo de sua vida útil.

De acordo com o estudo, baseado em indicadores do seguro obrigatório contra acidentes de trânsito, o DPVAT, o número de mortes permaneceu no mesmo patamar de igual período do ano passado (19.367), mas os casos de invalidez permanente diminuíram 16%. Nos primeiros seis meses de 2017, o total de pessoas com invalidez permanente alcançava 23.938.

Impactos

Em relação ao primeiro semestre de 2017, quando o impacto econômico atingiu R$ 103 bilhões, houve redução de 7% nas perdas geradas pela violência no trânsito no acumulado janeiro/junho de 2018.

Porém, em alguns estados observou-se ampliação das perdas, com destaque para Amazonas (+27%), Roraima (+25%), Mato Grosso (+22%). Em contrapartida, os estados do Rio Grande do Sul, Acre e Amapá registraram as maiores reduções de prejuízos econômicos no trânsito (-26%, -24% e -23%, respectivamente). No Rio de Janeiro, o aumento foi de 3%, enquanto em São Paulo ocorreu queda de 7%.

A Região Sudeste apresentou o maior valor de perdas econômicas com os acidentes no trânsito (R$ 36,7 bilhões). Já o menor percentual foi registrado no Norte do país: R$ 5,89 bilhões.

 

Classificados