Especial

A Revolta vive: os impactos sociais, culturais e econômicos

A conquista contribuiu para formar a identidade cultural local e definiu a característica fundiária da região, o minifúndio

A Revolta dos Posseiros tem reflexos importantes no Sudoeste e, ainda nos dias de hoje, podem ser observados. A conquista contribuiu para formar a identidade cultural local e definiu a característica fundiária da região, o minifúndio – pequenas propriedades rurais em diferentes mãos. Esse modelo trouxe um desenvolvimento mais homogêneo e sem tantas distorções sociais, comparado a outros municípios paranaenses.

Primeiro, porque nos anos da Revolta quase não havia exploração de mão de obra – o trabalho no campo era feito pelos filhos dos produtores e, assim, as famílias eram numerosas.

“Essa caracterização de estrutura agrária permitiu a vinda de muitas pessoas, porque a terra era dividida por muitas famílias, principalmente do Rio Grande do Sul e Santa Catarina”, avalia o arquiteto e estudioso do assunto, Nereu Ceni.

O sucesso do movimento também gerou o sentimento de pertencimento a terra, trazendo autoestima à população, conforme Ceni. Dessa forma, ganha contornos no Sudoeste um povo orgulhoso de suas origens e articulado politicamente. “A configuração social, cultural e econômica do Sudoeste teve no levante dos posseiros a caracterização do que somos hoje”.

A Revolta permitiu que os agricultores tivesse a titulação da terra. Além de estabilidade, mais tarde a posse traria benefícios como acesso ao crédito. “Isso deu tranquilidade para os agricultores trabalharem e criarem seus filhos, sem viver sob ameaça. Por isso, somos um povo trabalhador, que dá valor as coisas, somos econômico no sentido do gasto, ousados porque temos essa historia de luta, acreditamos que juntos temos força e lutamos pelo certo”, analise Ceni. “É uma conformação que os filhos dessa geração são empreendedores por natureza, têm coragem de enfrentar as coisas e dão valor as coisas materiais. Tem orgulho de dizer que não ganhamos nada de graça, que foi uma luta, e conquistamos a tranquilidade e a paz”, completa.

Com a agricultura bem assentada, a cidade teve lastro para se expandir em termos urbanos e industriais. “Era uma terra apaziguada, de bastantes pessoas proporcionalmente à época. Os comerciantes de fora sabiam que pelas características do povo poderiam vir aqui trazer seus negócios e sabendo que iriam receber. Se tornou região de segurança e isso gera prosperidade”.

O prefeito Augustinho Zucchi avalia que a Revolta trouxe contribuição social enorme à região. “É organização de sociedade que cobra seus direitos, o que é reflexo daquela época. Do ponto de vista fundiário, determinou a estrutura da região, com pequenos produtores. Socialmente, demonstrou uma força enorme, uma unidade em torno de uma causa e que são capazes de ultrapassar fronteiras”.

Classificados