Segurança

5ª SDP transfere mais de 100 presos, mas cadeião continua superlotado

Getúlio disse que a solução para a superlotação é construir uma nova cadeia pública em Pato Branco, com capacidade para 300 presos (Foto: Adenir Brocco)

O delegado-chefe da 5ª Subdivisão Policial (5ª SDP) de Pato Branco, Getúlio de Morais Vargas, confirmou nesta semana que foram transferidos, nos últimos 90 dias, mais de 100 presos da Cadeia Pública de Pato Branco para a Penitenciária Estadual de Francisco Beltrão (PEFB). Apesar disso, o cadeião continua superlotado, com 226 detentos, sendo que a capacidade é para 44.

Segundo o delegado, além da transferência de presos para a PEFB, o Poder Judiciário de Pato Branco agilizou processos de várias pessoas que estavam na cadeia pública, sendo que mais de 30 receberam tornozeleira eletrônica, outros ganharam liberdade provisória e diversos foram liberados mediante o pagamento de fiança. “Nos últimos três meses, entre transferências, tornozeleiras e liberdade provisória, saíram mais de 300 pessoas da cadeia pública de Pato Branco. Se não fosse isso, teríamos seguramente mais de 500 presos. Isso demonstra que as polícias estão trabalhando muito, prenderam muita gente. Sei que ainda há muitos crimes que não foram resolvidos, furtos principalmente”, destacou.

De acordo com o delegado Getúlio, os presos, em sua maioria, são acusados de tráfico de drogas e furtos. “O tráfico de drogas é o responsável por cerca de 70% dos crimes que ocorrem na cidade, como homicídios, latrocínios, roubos e furtos”, revelou.

Solução

Conforme o delegado Getúlio, a solução para o problema da superlotação no cadeião seria a construção de uma nova cadeia pública, em Pato Branco, com capacidade para 300 presos. “Não é presídio, cadeia pública, o que temos hoje aqui e está superlotada. Isso é para pessoas que estão respondendo processo de forma provisória, até que sejam condenadas e removidas para a penitenciária, onde vão cumprir a pena em regime fechado”, explicou.

Outra solução, segundo o delegado, seria a ampliação da atual cadeia pública se a estrutura da 5ª SDP for transferida para o antigo Fórum de Pato Branco. No entanto, o delegado afirmou que o correto, por questões de segurança, seria fazer uma cadeia pública fora do centro da cidade.

Delegacia Cidadã

Getúlio informou que está tudo bem encaminhado para funcionar, no prédio do antigo Fórum de Pato Branco, a Delegacia Cidadã e a Delegacia da Mulher para melhorar o atendimento a todos os casos que envolvem a Lei Maria da Penha. Já os demais casos serão atendidos pela Subdivisão Policial de forma separada. “É o futuro, o que a sociedade cobra e merece. Tenho certeza que será concretizado, pois a papelada está quase toda pronta para que o prédio do antigo Fórum seja do Departamento da Polícia Civil e possamos começar as reformas”, afirmou.

Segundo Getúlio, toda a estrutura da 5ª SDP irá para o prédio do antigo Fórum, permanecendo no local somente o setor de carceragem (cadeia pública). Com isso, será possível também um melhor atendimento as pessoas que tem parentes presos e aos advogados dos detentos.