Pato Branco

5ª Ciretran lança projeto “Ande legal” em Pato Branco

Gerhardt explicou sobre o projeto, na manhã de quarta (Foto: Paloma Stedile)

Na manhã de quarta-feira (8) foi lançado o projeto “Ande legal”, em Pato Branco. A iniciativa, da 5ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) de Pato Branco, tem como objetivo conscientizar os proprietários sobre a importância da atualização do seu endereço para o recebimento do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).

Além do chefe da 5ª Ciretran de Pato Branco, Vitor Edson Gerhardt, o evento contou com a presença de membros da Polícia Rodoviária Federal de Pato Branco (PRF) e do Departamento Municipal de Trânsito de Pato Branco (Depatran).

De acordo com Gerhardt, o projeto surgiu de “algo que percebi aqui em nossa Circunscrição Regional. Que estão voltando muitos envelopes com o CRLV, documento de comprovante do veículo para que o condutor possa circular. Então resolvemos fazer esse projeto, porque a pessoa imprime o documento para pagar o licenciamento, e, às vezes, não percebe que o seu endereço está desatualizado. Paga o licenciamento e, a partir do momento que pagou, em 20 minutos, a informação está no sistema. É impresso o documento, que entre uma ou duas semanas, chega ao endereço informado”, explica.

O chefe da 5ª Ciretran de Pato Branco acrescenta que são muitos os documentos que retornam à Circunscrição Regional, porque os endereços não estão atualizados. “Aqui em Pato Branco, por exemplo, teve a mudança de CEP em algumas ruas. Houve uma readequação, sendo que o endereço continua o mesmo, mas o CEP é outro. E a manipulação do CRLV é pelo CEP. Aí o carteiro vai naquele CEP e não bate com a rua. Com isso, é obrigado a devolver o envelope, porque o documento precisa ser entregue no endereço completo”.

Além de Pato Branco, a 5ª Ciretran abrange Bom Sucesso do Sul, Itapejara D’Oeste e Vitorino. Entre os quatro municípios, conforme Gerhardt, há mais de 40 mil veículos. Contudo, destes, “mais de 2.000 documentos de licenciamento de 2017, que estão vencendo agora; ou licenciamentos de 2018, referentes a veículos transferidos, novos ou que estão sendo pagos antecipadamente, estão voltando para nós”.

Assim, Gerhardt reforça a importância de se atualizar o endereço junto à 5ª Ciretran. “A ideia desse projeto é mobilizar os proprietários de veículos, para que venham à Ciretran e atualizem seus endereços, antes de emitir o próximo documento para pagar o Licenciamento”.

Para a atualização não há custo e o proprietário deve apresentar o documento do veículo; um documento com foto, para comprovar que é o proprietário; e o comprovante de endereço. “Caso o veículo seja de uma empresa, deve ser apresentado o contrato social; um documento que comprove que a pessoa é responsável pela empresa; e o comprovante de endereço da empresa, que é o cartão do CNPJ, atualizado pelo sistema”, diz, lembrando que a atualização deve ser feita para cada veículo.

Fiscalização

Gerhardt lembra que a 5ª Ciretran é responsável por emitir o documento. Entretanto, a fiscalização fica a cargo da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), do Departamento Municipal de Trânsito de Pato Branco (Depatran) e da Polícia Militar (PM).

O inspetor Cristo, chefe da 2ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal de Pato Branco, participou do lançamento do projeto. Ele aproveitou a oportunidade para reiterar a importância da documentação. “Falando pela PRF, como funciona para nós. Quando a equipe está fiscalizando e o veículo é abordado, se procede a fiscalização normal — em que pedimos os documentos CNH e CRLV. Caso o condutor não esteja portando o CRLV, e o agente tiver condições de consultar o sistema e ele esteja no ar, bem como não haja nenhum problema com a documentação, que esteja em dia, não é aplicada multa, não dá recolhimento do veículo, e o condutor prossegue seu destino tranquilamente”, exemplifica.

Contudo, conforme Cristo, caso o condutor seja abordado e “naquele momento o sistema estiver fora do ar, e você não esteja portando seu CRLV; ou a equipe esteja em um local onde não há sinal de celular ou dos equipamentos, o condutor poderá ser autuado e ter seu veículo recolhido. E aí terá todo um gasto com pátio. Depois terá que levar o seu documento na PRF, e mostrar que está em dia para que sejam tomadas as providências de liberação do veículo”, completa.

Além disso, segundo o inspetor-chefe, não portar e/ou não regularizar o endereço junto ao Detran, pode prejudicar o condutor em outras situações. “Por exemplo, você não sabe que tem vários pontos na CNH, e está num processo de cassação da CNH. Isso porque, o documento que deveria estar na sua residência, não está devido ao endereço desatualizado. Assim, se você algum dia for abordado em algum posto policial ou em alguma blitz, verificará que você já deveria ter entregue a carteira, e você não sabia porque o seu endereço não estava atualizado. Além de várias outras coisas, que podem pegar o condutor de surpresa. Então não custa atualizar o endereço junto ao Detran”, completa Cristo.

A multa para quem não apresenta documentação de porte obrigatório (CRLV atualizado e CNH validada) é leve, em que o condutor deve pagar R$ 88,38, e tem 3 pontos no prontuário do condutor. Além disso, há outras taxas, quando o veículo é apreendido, como a diária da apreensão do veículo, de R$ 26,58; e a taxa de remoção, de R$ 96,39.

Classificados